O conceito as a service apresenta produtos e serviços completamente  customizáveis no meio digital. Por isso, termos como Banking as a Service e Fintech as a Service trazem têm o mesmo objetivo de entregar soluções tecnológicas para o mercado financeiro, porém, com algumas particularidades.

Muitas inovações em produtos podem ter nomes parecidos e até finalidades semelhantes, mas cada uma tem sua devida função. 

O que é Fintech as a Service? 

O Fintech as a Service (FaaS)  é, resumidamente, uma tecnologia financeira que pode ser usada da  maneira que melhor servir para cada empresa.

O objetivo do modelo FaaS é extinguir um problema, desburocratizar ações ou até mesmo inserir novas ferramentas no dia a dia das empresas, sejam outras fintechs ou marcas dos mais diversos setores. 

Imagine uma loja de roupas que disponibiliza crediário quer criar um cartão do estabelecimento e precisa validar os dados dos clientes. Essa empresa pode contratar um FaaS.

Nesse caso, para ser uma fintech, há  necessidade de construir áreas com estrutura financeira e regulatória, e um setor para desenvolvimento de tecnologia. Ao adquirir um FaaS, a empresa simplifica processos.

Antes, seria necessário  começar do zero em um outro mercado e passar por todos os passos burocráticos. Hoje,  é possível montar uma plataforma em poucos dias Tudo isso sem precisar sere do ramo financeiro. 

A Grafeno desenvolveu um  artigo com três perguntas importantes sobre FaaS para  você se aprofundar sobre o assunto. Leia mais.

E como podemos caracterizar Banking as a Service? 

Banking as a Service, ou BaaS, também é um produto que possibilita a disponibilização de serviços financeiros por outras empresas.  

Pode-se utilizar o mesmo exemplo do cartão de crédito, mas, em vez do modelo fintech, o banking utiliza a estrutura já criada para desenvolver novas possibilidades de serviço. Dessa forma, a viabilização do serviço necessita que os clientes já consumam algum produto financeiro da empresa.

Isso porque a estrutura de banking gira em torno de contas: na venda, usabilidade e manutenção dessas contas criadas dentro de uma plataforma com estrutura bancária.

Esses tipos de produtos  disponibilizam, sem burocracia e a necessidade de ser efetivamente um banco, diversos serviços de acordo com cada interesse. Tudo isso através das APIs.

Com essas contas, a base de clientes consegue fazer  depósitos, transferências e pagamentos e soluções para necessidades financeiras.

Portanto, a estrutura de Banking as a Service é desenvolvida por fintechs e faz parte de tantos outros produtos abarcados pelo FaaS. Na prática, um modelo complementa o outro.

Um exemplo é o do PagSeguro que já vendia máquinas de cartões e logo depois criou o PagBanking com uma estrutura de banco.

Lucre como um banco, cresça como uma fintech com a Grafeno

Com o modelo Fintech as a Service você pode ter sua própria plataforma bancária em 40 dias e expandir seu portfólio de serviços. Um banco digital com a sua marca, completo para seus clientes.

A Conta Empresa Grafeno oferece tudo o que empresas de médio e grande porte precisam para operar. Em média, são R$ 5 bilhões transacionados ao mês nas mais de 20 plataformas em operação de quem já confia na Grafeno.

E as possibilidades são infinitas: como provedor da plataforma bancária, você pode identificar as necessidades de negócio do seu cliente através dos relatórios gerenciais e, depois, escolher  as funcionalidades e serviços que deseja oferecer, sejam elas relacionadas a conta, cobrança ou crédito.

O futuro é agora, vamos? 

O post Diferenças entre Fintech as a Service e Banking as a Service  apareceu primeiro em Blog Grafeno.

Deixe uma resposta